30
jan

0

ELUCIDAÇÕES SOBRE A OBRA DE JARED DIAMOND: ARMAS, GERME E AÇO

A obra de Jared Diamond narra que além do fator econômico, também o clima ajudou as essas civilizações, principalmente européia e asiática, se sobressaíram das demais civilizações. Portanto, foram esses fatores que leram as esses civilizações, européia e asiática, a dominarem a tecnologia e o conhecimento facilitando a conquista de lugares longínquos, pois, além da tecnologia com armas de destruição em massa desconhecida de outras civilizações, os europeus e asiáticos levavam consigo germes, como o caso da varíola, vírus desconhecido da população local que dizimou varias populações conquistadas por esses povos.

Ao chegar ao Peru, em 1532, o conquistador espanhol Francisco Pizarro deparou com um grande império. Os incas eram numerosos, tinham acabado de triunfar numa guerra com outros índios e eram dotados de um Estado complexo. Mesmo assim, num espaço de tempo curtíssimo e à frente de uma tropa mínima, Pizarro aprisionou o imperador local e dizimou seu exército de 80.000 guerreiros. O que explica essa vitória acachapante? Os livros de história listam causas como a superioridade dos armamentos e da tecnologia trazidos pelos espanhóis, bem como sua sofisticação cultural. Para o biólogo e historiador americano Jared Diamond, essas são respostas corretas. Mas elas não vão fundo o bastante. Indicam as “causas imediatas” da conquista, mas não suas “causas fundamentais”. Para chegar a essas últimas, seria preciso fazer uma outra indagação: por que aquelas vantagens tecnológicas e culturais estavam nas mãos dos europeus e não dos incas – ou dos africanos, ou dos habitantes da Oceania? Essa pergunta e sua detalhada resposta estão no livro Armas, Germes e Aço (tradução de Silvia de Souza Costa e outros; Ed.Record; 472 páginas).

Nos últimos anos, depois de estar fora de conjuntura por muito tempo, esse tipo de estudo ambicioso, que põe em confronto povos e civilizações, passou a despertar novo interesse. A Riqueza e a Pobreza das Nações, do historiador David Landes, ou O Choque de Civilizações, do sociólogo Samuel Huntington, exemplificam a tendência. O livro muito bem escrito de Diamond destaca-se pelo arsenal de conhecimento que emprega, bem como pela maneira original de expor suas teses – e descartar outras. Armas, Germes e Aço utiliza informações vindas da história, da arqueologia e da lingüística, mas também da biologia molecular e da genética. Um objetivo primário do autor foi desacreditar de uma vez por todas a idéia de que diferenças de raça sejam sinais de “superioridade” ou “inferioridade”. Ele também afirma que qualquer teoria que procure explicar as diferenças de desenvolvimento entre os povos, com base em eventos que datem de algumas centenas de anos apenas, estará fadada à incompletude. Sua análise retrocede ao fim da última era glacial, quando os homens começaram a colonizar regiões variadas do planeta e instalar-se em ambientes mais ou menos propícios à vida.

Para Diamond, a geografia é a mais fundamental das causas fundamentais. Foi à disponibilidade de plantas e animais domesticáveis que permitiu a certos grupos fixar-se num lugar, criar excedentes de comida e liberar pessoas para tarefas como a inovação tecnológica, a religião ou a burocracia. A facilidade de locomoção e contato com regiões vizinhas era outro fator de sorte: coisas que não tinham raízes nativas podiam ser importadas. Pode-se então voltar à questão inicial. O que pôs tantas vantagens nas mãos dos europeus foi o fato de viverem num continente com determinadas características de clima, fauna, flora e desenho geográfico. Muitos elementos de sua civilização nem sequer haviam sido criados por eles próprios. Mas eles estavam no lugar certo: puderam entrar em contato, digamos, com a escrita surgida na região da Mesopotâmia e assimilá-la. Falar assim, claro, é baratear o livro. Sua graça está nas filigranas e no encadeamento de explicações. São fascinantes, por exemplo, as páginas em que Diamond demonstra como o contato milenar com animais domésticos dotou os europeus de resistência a muitos germes – algo que seria importante na época dos descobrimentos.

Msc. Ricardo Delfino Guimarães